Os caras de Dunga – Esquerda, volver!

Por Luís Curro

O Brasil começa nesta quinta (8), às 20h30, sua campanha nas eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia. Será um jogo duríssimo, em Santiago, no Chile, contra o atual campeão da Copa América.

O mesmo Chile que na Copa de 2014, no Mineirão, esteve prestes a eliminar a seleção nas oitavas de final – o Brasil só obteve a classificação nos pênaltis, após o empate no tempo normal e na prorrogação.

Como superar os chilenos fora de casa?

Antes de responder, há uma questão fundamental: o Brasil conseguirá manter a posse de bola na maior parte do tempo, ou pelo menos perto de 50% do tempo? Pois, na Copa América, na qual foi o anfitrião, os chilenos tiveram mais posse de bola que os oponentes em todas as partidas – até na final, contra a Argentina.

Se ficar sem a bola (o que é possível e pode até ser uma alternativa tática), o sucesso dependerá de uma eficácia grande nos contra-ataques.

Supondo que o Brasil tenha o domínio da redonda, o melhor caminho a seguir é pela esquerda. Utilizar os canhotos para potencializar as ações ofensivas, recorrendo ao máximo à faixa esquerda no campo de ataque.

Hulk é canhoto. Douglas Costa é canhoto. Marcelo é canhoto. Lucas Lima é canhoto. Dunga tem de usá-los para desmontar a defesa chilena.

Entre as opções ofensivas no grupo de Dunga, Hulk é, ao lado de Douglas Costa, o brasileiro com melhor desempenho neste início de temporada 2015-2016. Tem comido a bola no Zenit, assim como Douglas Costa no Bayern de Munique.

Hulk será escalado como centroavante – deu certo nos amistosos contra Costa Rica e EUA em setembro, não há por que Dunga mudar.

Ele gosta de conduzir a bola e chutar bastante a gol com sua potente canhota. Mas, nessa partida, será importante para Hulk saber se posicionar na área, perto do gol.

Se fizer isso, terá ótimas oportunidades para concluir a gol os cruzamentos de Douglas Costa e de Marcelo, que adora apoiar o ataque, e os passes geralmente precisos de Lucas Lima.

O lateral esquerdo Marcelo em treino da seleção em Santiago (Leo Correa/Mowa Press)
O lateral esquerdo Marcelo em treino da seleção em Santiago (Leo Correa/Mowa Press)

Nos treinos na capital chilena, será importante Dunga entrosar esse quarteto. Treinar tabelas, triangulações, ultrapassagens, cruzamentos. Acertar o posicionamento, ou seja, quando Marcelo ou Douglas Costa forem à linha de fundo, saberem onde colocar a bola.

O ideal é Hulk estar no primeiro pau, próximo à pequena área, e haver um outro jogador, que pode ser o próprio Lucas Lima, na grande área, também pelo lado esquerdo, para servir de segunda opção.

Aliás, espero que jogue Lucas Lima na armação, não Oscar, nem Kaká, nem Willian. Um desses três até pode ser titular, mas em outra função – a de entrar pela direita, posicionando-se no segundo pau, e ser mais um homem de área para concluir as jogadas criadas pela esquerda. Nesse cenário, considero até que Ricardo Oliveira, artilheiro nato, é o mais indicado. Com ele, porém, o poder de marcação diminui, o que pode ser contornado com mais esforço defensivo de Hulk.

O experiente Kaká, 33 anos, foi chamado para o lugar de Philippe Coutinho, cortado por uma lesão que ainda precisa ser explicada – ele atuou em toda a partida de domingo (4) contra o Everton, pelo Campeonato Inglês.

Outra “reposição” é Daniel Alves, 32 anos, convocado para o lugar de Rafinha, do Bayern de Munique, que havia pedido dispensa.

Não houve informação oficial sobre o motivo de tanta demora para que um outro jogador fosse chamado, mas se supõe que Dunga esperou o julgamento do recurso do caso Neymar.

Se a suspensão do camisa 10 do Brasil fosse revogada, Dunga usaria a lacuna deixada por Rafinha para chamá-lo. Não ocorreu, então a opção foi por um lateral mesmo, Daniel Alves, colega de Neymar no Barcelona.

Pela experiência, Daniel Alves, 32 anos, que não faz bom início de temporada, deve ser titular, deixando Fabinho na reserva.

Eu, se fosse Dunga, e com o intuito de explorar assiduamente o setor esquerdo do ataque, escalaria assim o Brasil no Chile: Marcelo Grohe; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Elias e Lucas Lima; Hulk, Ricardo Oliveira e Douglas Costa.

O raciocínio já foi exposto: se a ideia é atacar pelo flanco esquerdo e fazer a bola estar muitas vezes na área chilena, é melhor ter mais um artilheiro na área, e esse homem é Ricardo Oliveira. Elias também tem o hábito de aparecer no ataque como elemento-surpresa, por isso o elejo, e não Fernandinho.

Como acho que Dunga escalará o time, optando pela estratégia do contra-ataque: Jefferson; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Filipe Luis; Luiz Gustavo, Fernandinho, Oscar e  Willian; Hulk e Douglas Costa.

Nesse esquema, há um lateral mais marcador (Filipe Luis, que andou falhando feio nos últimos jogos), dois volantes, dois armadores e, mais à frente, Douglas Costa pela esquerda e Hulk pela direita. Todos, sem exceção, com a obrigação de recuar e marcar muito os chilenos. Roubando a bola, correria rumo ao gol rival, mas para dar certo precisa ser uma correria organizada.

Depois do Chile, na terça (13) o adversário será a Venezuela, em Fortaleza.

Eis a lista completa de Dunga (8 dos 23 atuam no Brasil) e o desempenho de cada jogador nos últimos sete dias:

X

Goleiros

Marcelo Grohe (Grêmio) – Grêmio 1 x 1 Fluminense (Copa do Brasil). Bateu roupa em duas finalizações do Flu, recuperando-se a tempo nos lances. Sem culpa no gol de cabeça de Fred. Cruzeiro 0 x 0 Grêmio (Brasileiro). A falta de pontaria do ataque cruzeirense o ajudou bastante. Fez uma boa defesa no 1º tempo e duas defesas fáceis no 2º tempo. Bom

Alisson (Internacional) – Palmeiras 3 x 2 Internacional (Copa do Brasil). Sem culpa em nenhum dos três gols (dois de cabeça e um de pênalti), fez uma defesa difícil no fim do 2º tempo em conclusão de Barrios. Internacional 2 x 1 Sport (Brasileiro). No 1º tempo, salvou o que seria um golaço de Diego Souza. No resto do jogo, não foi exigido e não teve chance de defesa no gol do time pernambucano. Bom

Jefferson (Botafogo) – Sampaio Corrêa 2 x 2 Botafogo (Brasileiro – Série B). Fez três grandes defesas na partida, porém falhou no primeiro gol do Sampaio, largando bola fácil após um cruzamento. Regular

Defesa

Daniel Alves (Barcelona-ESP) – Barcelona 2 x 1 Bayer Leverkusen (Champions League). Quase uma nulidade. Longe, mas muito longe daquele lateral que fazia a diferença no ataque, com ótimo toque de bola e passes que deixavam os colegas em ótima condição de fazer gol. Sevilla 2 x 1 Barcelona (Espanhol). Entrou no lugar de Mathieu ao 15 minutos do 2º tempo, com o Barça perdendo de 2 a 0. Apoiou bastante, mas sem efetividade. Ruim

Miranda (Inter de Milão-ITA) – Sampdoria 1 x 1 Inter (Italiano). Cumpriu suspensão por causa da expulsão na partida anterior. Sem avaliação

David Luiz (PSG-FRA) – Shakhtar Donetski 0 x 3 PSG (Champions League). A defesa do PSG tem sido quase intransponível nesta temporada, muito graças aos brasileiros. David Luiz foi sólido atrás, ao lado de Thiago Silva, e ainda fez um gol – sem querer, é verdade, pois a bola bateu nele e entrou, mas é gol do mesmo jeito. Recebeu um cartão amarelo. PSG 2 x 1 Olympique de Marselha (Francês). Novamente formou o miolo de zaga com Thiago Silva. Mal posicionado no gol do Olympique: era ele quem marcava Batshuayi, que fez de cabeça. Fora essa falha, esteve bem. Bom

David Luiz comemora o gol que fez contra o Shakhtar, na Liga dos Campeões (Pascal Guyot - 30.set.2015/AFP)
David Luiz comemora o gol que fez contra o Shakhtar na Liga dos Campeões (Pascal Guyot – 30.set.2015/AFP)

Marcelo (Real Madri-ESP) – Malmö 0 x 2 Real Madrid (Champions League). Poupado, ficou na reserva no jogo na Suécia. Atlético de Madri 1 x 1 Real Madri (Espanhol). Menos intenso nas subidas ao ataque do que o costume, não teve grandes problemas na defesa. Regular

Fabinho (Monaco-FRA) – Monaco 1 x 1 Tottenham (Liga Europa). De volta à lateral direita depois de ser escalado em alguns jogos como volante, caiu sentado na jogada do gol do time inglês. Monaco 1 x 1 Rennes (Francês). Cometeu um pênalti aos 20 minutos do 2º tempo, desperdiçado pelo brasileiro Pedro Henrique, ex-Caxias-RS. Recebeu cartão amarelo na jogada da penalidade máxima. Ruim

Marquinhos (PSG-FRA) – Shakhtar Donetsk 0 x 3 PSG (Champions League). Ficou na reserva. PSG 2 x 1 Olympique de Marselha (Francês). Ficou no banco até os 42 minutos do 2º tempo, quando substituiu o lateral direito Aurier. Ruim

Gil (Corinthians) – Ponte Preta 2 x 2 Corinthians (Brasileiro). A confiável defesa corintiana não foi bem em Campinas, dando seguidas oportunidades à Ponte. No primeiro gol, Gil ficou olhando a bola em cruzamento e deixou dois adversários desmarcados – Elton marcou. No segundo gol, virou de costas no chute de Biro-Biro – Cássio deu rebote e Felipe Azevedo empurrou para as redes. Ruim

Filipe Luis (Atlético de Madri-ESP) – Atlético 1 x 2 Benfica (Champions League). No 1º tempo, salvou um gol em cima da linha. No 2º, falhou feio ao não interceptar lançamento para Gonçalo Guedes, que marcou o gol da vitória do clube português. Atlético de Madri 1 x 1 Real Madrid (Espanhol). No gol do Real, foi humilhado: levou um drible da vaca de Carvajal, que cruzou na cabeça de Benzema. Ruim

Meio-campo

Luiz Gustavo (Wolfsburg-ALE) – Manchester United 2 x 1 Wolfsburg (Champions League). Ainda em recuperação de contusão, não ficou nem no banco. Borussia Mönchengladbach 2 x 0 Wolfsburg (Alemão). Ficou na reserva. Sem avaliação

Fernandinho (Manchester City-ING) – Borussia Mönchengladbach 1 x 2 Manchester City (Champions League). Firme na defesa, ainda foi ao ataque tentar o gol, mas não teve sucesso em três tentativas. Manchester City 6 x 1 Newcastle (Inglês). De cabeça, deu a assistência para o primeiro dos cinco gols de Agüero. Correto na marcação, chutou uma vez a gol, para fora, e levou um cartão amarelo após cometer uma falta. Bom

Elias (Corinthians) – Ponte Preta 2 x 2 Corinthians (Brasileiro). Como é praxe, apareceu no ataque – quase fez um gol após infiltração, mas a defesa salvou. Deu a assistência para Jadson marcar o primeiro gol da partida. Na marcação, não esteve tão bem, dando muito espaço para os meio-campistas da Ponte. Levou um amarelo após fazer uma falta e foi substituído aos 21 minutos do 2º tempo por Rodriguinho, autor do segundo gol do time. Regular

Oscar (Chelsea-ING) – Porto 2 x 1 Chelsea (Champions League). Não foi relacionado para a partida por José Mourinho. Chelsea 1 x 3 Southampton (Inglês). Algo raro com o treinador português, jogou do início ao fim. Deu três chutes a gol, dois para fora, um defendido pelo goleiro holandês Stekelenburg. Regular

Willian (Chelsea-ING) – Porto 2 x 1 Chelsea (Champions League). Marcou o gol do Chelsea, no fim do 1º tempo, em bela cobrança de falta. Chelsea 1 x 3 Southampton (Inglês). Abriu o placar, em mais uma boa cobrança de falta. Deixou o jogo aos 19 minutos do 2º tempo, depois de o Chelsea ter levado a virada – entrou Pedro. Bom

Willian festeja em Londres seu gol de falta contra o Southampton (Frank Augstein - 3.out.2015/Associated Press)
Willian festeja em Londres seu gol de falta contra o Southampton (Frank Augstein – 3.out.2015/Associated Press)

Lucas Lima (Santos) – Santos 3 x 2 Figueirense (Copa do Brasil). Lesionado na coxa, não jogou. Santos 3 x 1 Fluminense (Brasileiro). De volta ao time, mostrou oportunismo logo aos 5 minutos ao pressionar a saída de bola de Diego Cavalieri e foi recompensado. O goleiro chutou no pé esquerdo do meia, e a bola foi para o gol. Destacou-se na articulação de jogadas e nas bolas paradas. Bom

Renato Augusto (Corinthians) – Ponte Preta 2 x 2 Corinthians (Brasileiro). Desta vez, esqueceu o futebol no Parque São Jorge. Nada fez. Ruim

Kaká (Orlando City-EUA) – Orlando 2 x 1 Montreal (Major League Soccer). Será lembrado nessa partida por ter sido o capitão do time. E por ter recebido um cartão amarelo. Está há nove partidas sem fazer um gol. Ruim

Ataque

Hulk (Zenit-RUS) – Zenit 2 x 1 Gent (Champions League). Ativo como sempre, deu as assistências para os dois gols, um em cada tempo, na vitória sobre a equipe belga. Zenit 3 x 0 Rostov (Russo). Superou a partida anterior e deu os passes para os três gols do time, além de buscar o gol com a costumeira avidez. O melhor em campo nas duas partidas. Nesta temporada, em 13 jogos (11 pelo Russo e 2 pela Champions), Hulk marcou oito gols e deu 10 assistências. Ótimo

Douglas Costa (Bayern de Munique-ALE) – Bayern 5 x 0 Dinamo Zagreb (Champions League). Em um chute sem ângulo, no qual a bola passou entre o goleiro e a trave, abriu o caminho para a goleada sobre o time croata. Também cruzou a bola para o quarto gol, de Lewandowski, e participou, com um passe de letra, da jogada do quinto gol, também de Lewandowski. Bayern 5 x 1 Borussia Dortmund (Alemão). Desta vez não fez gol ou deu assistência, mas mostrou boa pontaria: deu três chutes a gol e em todos eles obrigou o goleiro Bürki a trabalhar. Ótimo

Lucas (PSG-FRA) – Shakhtar Donetsk 0 x 3 PSG (Champions League). Ficou na reserva até os 35 minutos do 2º tempo, quando substituiu Cavani. Correu o que pôde, mas teve muito pouco tempo para produzir algo. PSG 2 x 1 Olympique de Marselha (Francês). Foi reserva. Ruim

Ricardo Oliveira (Santos) – Santos 3 x 2 Figueirense (Copa do Brasil). Teve uma chance, em cabeceio, no 1º tempo – o goleiro defendeu. Santos 3 x 1 Fluminense (Brasileiro). Ficou seis vezes impedido, três delas em um intervalo de quatro minutos. E nada mais. Ruim