Onde o nepotismo funciona… quer dizer, pelo menos, em campo

Por Rafael Reis

Mamic

O nepotismo é uma prática odiosa, que remete ao que de mais antiguado e baixo existe na política e deve ser combatido a fim de uma administração mais moderna. Certo?

Agora, tente convencer o torcedor do Dínamo de Zagreb disso.

O time está prestes a conquistar, de forma invicta e pelo décimo ano consecutivo, o título do Campeonato Croata.

A construção dessa hegemonia passa pelas mãos da família Mamic.

Zdravko, o irmão mais velho, foi líder de torcida organizada e, desde 2003, ocupa a presidência do Dínamo.

Depois de demitir 15 técnicos em dez anos, ele resolveu dar uma chance a seu irmão mais novo, Zoran, 43.

Ex-jogador da equipe de Zagreb, ele ocupou o cargo interinamente duas vezes até ser efetivado como treinador principal.

A parceria entre os irmãos, apesar do sucesso dentro de campo, não escapa das polêmicas.

Uma delas é que a família Mamic desvia recursos do clube, uma associação esportiva semelhante aos clubes brasileiros (ou seja, com sócios, não donos) para os seus próprios bolsos.

Talvez mais grave ainda é a acusação de que os irmãos participem de esquema de manipulação de resultados.

Os nomes de Zdravko e Zoran aparecem em vários casos suspeitos de fraude, inclusive jogos de Liga Europa e da Liga dos Campeões da Europa.

No começo de 2009, Zoran foi acusado de ter entregue dinheiro para beneficiar o Dínamo em uma partida da Copa da Croácia. No mesmo ano, uma investigação mostrou que os irmãos moveram alguns milhares de euros para um intermediário na Áustria, que utilizou a verba para realizar apostas envolvendo resultados esportivos.