O irmão do Goulart

Por Rafael Reis

Duas semanas depois de Ricardo Goulart ajudar o Cruzeiro a conquistar o bicampeonato brasileiro, neste domingo é a vez do seu irmão mais velho, Juninho, ter a chance de faturar um título nacional.

Revelado nas categorias de base do São Paulo e jogando nos EUA desde 2010, o meia é uma das atrações do Los Angeles Galaxy que irá tentar, contra o New England Revolution, vencer pela terceira vez nos últimos quatro anos a MLS Cup.

O time da Costa Oeste teve a segunda melhor campanha da temporada regular da Major League Soccer e derrotou o Seattle Sounders, número um do ano, nas finais de conferência.

Juninho fez seu único gol na temporada justamente na partida que deu ao LA Galaxy o direito de decidir a MLS Cup –derrota por 2 a 1 para os Sounders depois de vitória por 1 a 0 no jogo de ida.

Ao contrário de Goulart, um meia-atacante que balançou as redes 15 vezes no Brasileiro, seu irmão atua mais recuado. É um volante mais passador que marcador.

Os irmãos Juninho e Ricardo começaram a treinar na escolhinha de futebol Moreira Sport’s, em São José dos Campos (SP), que tinha seu pai, Vitor, como treinador.

Destaques da escolhinha, a dupla e o volante Casemiro ganharam um teste no São Paulo. Só Goulart não passou e teve de construir sua carreira longe do Morumbi.

Após se destacar em Cotia, onde fica o CT da base do time do Morumbi, Juninho foi incluído em um projeto de intercâmbio entre o São Paulo e o Galaxy.

O volante foi pela primeira vez aos EUA em 2010. Até 2013, manteve uma curiosa rotina. A cada início de temporada, retornava ao clube paulista, recebia a promessa de que seria utilizado e era novamente despachado para Los Angeles.

Foram três temporadas assim até ser liberado de vez para o Galaxy. Hoje, o dono da camisa 19 é uma das espinhas dorsais do time, ao lado de Donovan, Robbie Keane e Omar González e pode levar mais um troféu para a ceia de Natal do seu Vitor Pereira.

Juninho