A casa de todos os preconceitos

Por Rafael Reis

Judeus

A discriminação no futebol infelizmente não é exclusividade brasileira, e a Arena Grêmio está longe de ser o único palco desse comportamento tão pouco humano.

O novo caso vem da Sérvia e foi registrado durante partida da primeira rodada da fase de grupos da Liga Europa, na quinta-feira (18).

Torcedores do Partizan Belgrado levaram faixas com mensagens antissemitas às arquibancadas no empate por 0 a 0 com o Tottenham, clube ligado à comunidade judaica da Inglaterra.

“Only Jews and Pussies (Apenas Judeus e Viados, em tradução livre)” dizia uma das faixas exibidas no estádio, em alusão à comédia da BBC “Only Fools and Horses (Apenas Idiotas e Cavalos, em tradução livre)”.

As mensagens revoltaram o técnico do Tottenham, Mauricio Pochettino, que cobrou que o Partizan seja punido pela Uefa.

A diretoria do clube sérvio pediu desculpas pelas ofensas e prometeu identificar os agressores, assim como fez o Grêmio depois das ofensas racistas dirigidas ao goleiro Aranha, do Santos.

Em nota, a Uefa informou que abriu uma investigação para apurar os acontecimentos em Belgrado.

A Grobari, principal torcida organizada do Partizan, é uma das torcidas organizadas mais violentas da Europa e já provocou a eliminação do time da Copa da Uefa na temporada 2007/08 quando entrou em conflito com policiais e torcedores da Zrinjski Mostar.

A conexão entre os ultras, como são conhecidos os torcedores organizados na Europa, e grupos de extrema direita e o alinhamento ideológico desses torcedores com a xenofobia e o antissemitismo preocupam a Uefa e a Fifa.

As duas entidades têm endurecido nos últimos anos as punições por ofensas raciais. A mais pesada foi possivelmente a recebida pelo zagueiro croata Josip Simunic.

O defensor foi proibido de disputar a Copa do Mundo depois de ser suspenso de dez partidas de sua seleção por comemorar a classificação para o Mundial com frases de apologia nazista.