Di María acusa Real Madrid de proibi-lo de jogar a final da Copa do Mundo

Por Alex Sabino

Angel di Maria

 

A nova estocada na guerra entre Real Madrid e Ángel Di María foi dada pelo jogador. Em entrevista ao programa America & Closs, da Rádio América, de Buenos Aires, o meia do Manchester United disse que o Real Madrid mandou que ele não jogasse a final da Copa do Mundo contra a Alemanha.

“Chegou uma carta do Real Madrid às 11h, no dia da final. Rasguei-a”, disse o jogador apelidado no país como Fideo.

É uma acusação inédita no futebol mundial. Um clube tentando impedir um atleta de atuar na partida mais importante do esporte.

A explicação: Di María sofreu uma lesão muscular nas quartas de final, contra a Bélgica, em Brasília. Os médicos fizeram de tudo para que ele conseguisse entrar em campo diante dos alemães, no Maracanã. O meia-atacante fez tratamento em câmera hiperbárica. Recebeu injeções de plasma rico em plaquetas. Tudo para acelerar a cicatrização.

Não deu certo. Di María não jogou e foi substituído por Enzo Perez.

“Aquela manhã antes da final me fez sofrer muito. Foi o pior que poderia ter acontecido na minha vida”, conta.

Julito Grondona, filho de Julio Grondona, presidente da AFA (Associação de Futebol Argentino), morto logo depois do Mundial, confirmou a versão de Fideo:

“A carta chegou antes de viajarmos ao Rio de Janeiro e estava assinada pelo presidente do Real Madrid, Florentino Pérez.”

Vendido no mês passado para o Manchester United por 59,7 milhões de libras, Di María foi a negociação mais cara da história do futebol britânico. A transação abriu troca de acusações entre o jogador, o técnico Carlo Ancelotti e  Florentino Pérez.

A torcida madrilenha não ficou satisfeita com a saída do argentino, escolhido melhor jogador na final da última Champions League. Di María foi liberado para equilibrar as contas da equipe, que havia comprado o colombiano James Rodríguez e o alemão Toni Kroos.

Só que Di María sempre deixou claro que não queria ter deixado a Espanha. Deixou nas entrelinhas ter sido chutado do Santiago Bernabéu. Louis Van Gaal fez de tudo para que o Manchester United o comprasse. Cristiano Ronaldo reclamou. Disse publicamente que a venda foi um erro.

Pérez e Ancelotti deram o contragolpe. Afirmaram que o argentino saiu porque quis. Teria recusado uma proposta de renovação e que gostaria de ganhar o mesmo salário de Cristiano Ronaldo, astro maior da companhia.

“Digam o que disserem, o dinheiro da minha venda fez muito bem para a economia do Real Madrid. Para ganhar o que ganha Cristiano [Ronaldo], eu teria de vencer a Bola de Ouro [prêmio de melhor do mundo]. Ele sempre esteve do meu lado. Não sei quanto tempo vai aguentar no Real”, disparou Di María.