Dois homens, uma mulher… o futebol

Por Alex Sabino
wada maxi icardi
Da esq. para a dir, Wanda Nara, Maxi López e Icardi nos tempos de amizade entre os atacantes

Sampdoria e Internazionale já foi um confronto que decidiu o título italiano. Em 1991. Treze anos depois, a partida entre as duas equipes virou, simplesmente, o “clássico de Wanda Nara”.

Tudo porque Maxi López se recusou a cumprimentar Mauro Icardi antes do jogo. E ameaça processá-lo por causa de fotos em redes sociais. A pivô da briga dos dois atacantes que até pouco tempo atrás eram grandes amigos, é uma mulher.

Wanda Nara.

Aos 27 anos, ela se encaixa na descrição “modelo, manequim e atriz”. Também foi vedete, profissão que não se ouve falar mais no Brasil, mas ainda encontra espaço na Argentina, sua terra natal. Já esteve (no sentido bíblico da palavra) com Maradona e foi casada com Maxi López, 30, inclusive quando  La Barbie (o estranho apelido do artilheiro) passou pelo Grêmio, em 2009. É mãe dos três filhos de López, que sempre se deu muito bem com Mauro Icardi, 21. Há foto de deste, menino, pedindo autógrafo a Maxi.

Os dois viajaram juntos de férias há dois anos, acompanhados de Wanda Nara.

O caldo entronou quando a vedete deu um pontapé no traseiro de López e engatou namoro que já dura 20 meses com Icardi. Relação que às vezes até ofusca o fato de o jovem argentino ser um dos principais atacantes do Campeonato Italiano na atualidade. Não ajuda quando Wanda Nara publica no Twitter fotos de Icardi quase nu, apenas coberto por um lençol. Vingança contra possível traição do ex-marido em passado não tão distante. Após a partida da semana passada, em que Icardi fez dois gols, ele postou foto fazendo sinal de chifres, imagem que qualquer um com sangue latino sabe muito bem o que significa. Depois, apagou a fotografia.

Inter Milan's Icardi celebrates a goal against Atalanta during their Serie A soccer match in Milan
Icardi faz homenagem à namorada, a ex de Maxi

López ameaça processo porque o ex-amigo mais de uma vez já publicou fotos ao lado de Nara com seus três filhos. E se você já ouviu o sobrenome dela em algum outro lugar, não estranhe. É irmã de Zaira Nara, a ex-noiva de Diego Forlán.

Em homenagem a López, Icardi e, principalmente, Wanda Nara, o “Mundo é uma Bola” relembra outros sete casos memoráveis de triângulos amorosos do futebol internacional.

 

1. John Terry, Wayne Bridge e Vanessa Perroncel (2010)

Terry e Bridge eram grandes amigos no Chelsea. Colegas de quarto na seleção inglesa. Bridge namorou e teve um filho com a modelo de lingeries (sim, isso existe) Vanessa Perroncel. Tudo ia bem até que se tornou público, em 2010, que Vanessa tinha um caso com Terry. Bridge estava no Manchester City na época e se recusou a falar ou cumprimentar o zagueiro quando se encontravam. Mais tarde, os tablóides britânicos escreveram que a modelo teve affairs com outros jogadores do elenco do clube londrino.

 

2. Totó Schillaci, Gianluigi Lentini e Rita Schilacci (1992)

Schillaci tentava reencontrar na Internazionale o bom momento que o fez ser o heroi italiano na Copa de 1990. Lentini havia sido a contratação mais cara do futebol mundial (30 milhões de euros em valores atuais) ao sair do Torino e ir para o Milan. Logo depois, sofreu grave acidente automobilístico e ficou em coma no hospital. Uma mulher, sempre vestida de preto, ia todos os dias visitá-lo e chorava copiosamente. A imprensa, dias depois, descobriu: era Rita Schilacci, mulher de Totó.

3. Horacio Ameli, Eduardo Tuzzio e mulher (2005)

Amelli e Tuzzio foram companheiros de zaga por sete anos no San Lorenzo. Reencontraram-se no River Plate. Durante uma partida, o atacante adversário provocou Tuzzio sobre suposta traição da sua mulher com Ameli. Dias depois, pressionada, a esposa confirmou os rumores e este foi tirar satisfações com o já ex-companheiro no vestiário do Monumental, na frente de todo o elenco. “Saibam o que fez comigo este f.d.p. que dizia ser meu amigo”, gritou. O meia Marcelo Galhardo liderou um boicote a Ameli, que foi obrigado a treinar com as categorias de base.

Tuzzio passou anos sofrendo gozações de torcedores  e provocações de rivais.

 

4. Jean François Larios, Michel Platini e Christele Platini (1982)

Larios surgiu no Saint-Etienne, na década de 70, formando meio-campo com Platini e o holandês Rep. Foi convocado para a seleção francesa na Copa de 1982. Pouco antes do torneio, explodiu o escândalo: Larios tinha um caso com Christele, mulher de Platini, o camisa 10 do time. O técnico Michel Hidalgo tentou contronar a situação. Não teve como. O craque deu o ultimato ao treinador: “ele ou eu”. Deu Platini.

5. José Altafini, Paolo Barison e Annamaria Galli (1969)

O ítalo-brasileiro Altafini (o Mazzola), estava no Napoli, aos 31 anos. Casado com uma brasileira e nome famoso do futebol local, teve romance com Annamaria Galli, mulher do companheiro de time, Paolo Barison, mãe de três filhos. Os dois largaram os respectivos parceiros e foram viver juntos. O que, na sociedade sulista italiana da época, foi um escândalo.

6. Ludovic Giuly, Raymond Domenech e Estelle Denis (2004)

Giuly, campeão europeu pelo Barcelona em 2006, não foi convocado por Raymond Domenech para o Mundial da Alemanha. O técnico havia descoberto, dois anos antes, mensagens de texto suspeitas do meia-atacante para a sua então namorada, Estelle Denis. A última partida de Giuly na seleção foi em 2005.

7. Tommy Docherty, Laurie Brown e Mary Brown (1977)

Docherty, chamado de “Doc”, foi o técnico que tirou o Manchester United da segunda divisão em 1975 e venceu a final da FA Cup de 1977, impedindo a tríplice coroa do Liverpool. Parecia que o clube estava entrando nos eixos quando o treinador passou a dormir com Mary Brown, mulher do fisioterapeuta do clube, Laurie Brown. Quando a história chegou à imprensa, mulheres de diretores exigiram que Docherty fosse demitido. O que aconteceu. Doc e Mary estão casados até hoje.