A maior rivalidade da história

Por Alex Sabino
Os rivais se enfrentam mais uma vez no domingo
Os rivais se enfrentam mais uma vez no domingo, na casa do Real Madrid, o estádio Santiago Bernabéu

 

O mais importante clássico do planeta se alimenta da maior rivalidade entre dois jogadores na história do futebol. Cristiano Ronaldo e Lionel Messi monopolizam as atenções de dois times recheados de astros. E não é de hoje.

Há seis anos os dois atacantes disputam os mesmos recordes, prêmios individuais e, desde 2009, travam duelos em dois clubes que dividem animosidades que vão muito além das quatro linhas.

“Não é pessoal. Eles não são amigos e não são inimigos. Mas é rivalidade que faz os dois melhorarem dentro de campo”, observou zagueiro Gerard Piqué, que foi companheiro de Cristiano Ronaldo no Manchester United e hoje joga com Messi no Barcelona.

Beckenbauer e Bobby Charlton travaram duelos épicos em duas Copas do Mundo e viraram amigos longe dos gramados. Pelé e Maradona se tornaram inimigos pela pseudo disputa de “melhor de todos os tempos”, turbinada por estocadas pela imprensa. Eles não são contemporâneos como atletas. Garrincha jogou pouco tempo em alto nível e era desligado demais para se preocupar em brigar sobre algo com o Rei do Futebol. Gullit (pelo Milan) e Maradona (pelo Napoli) viveram grandes momentos quando época a Série A italiana era a melhor liga nacional do mundo. Mas não se aproximam das sucessivas imagens, a cada “El Clássico” espanhol, de Lionel Messi e Cristiano Ronaldo.

“Eu joguei com o [Laszlo] Kubala no Barcelona e com o Di Stefano no Real Madrid. A cada vez que se enfrentavam, havia muita gente que falava apenas nos dois. Mas eles eram amigos e jogaram juntos na seleção espanhola”, afirma o ex-atacante brasileiro Evaristo de Macedo, que jogou nas duas equipes entre as décadas de 50 e 60.

Ronaldo e Messi protagonizam também a primeira grande rivalidade em que fazem parte o marketing exacerbado, os milhões de euros, a Internet… Ao lançar sua conta no Facebook, em menos de sete horas Messi já tinha mais de seis milhões de fãs. Cristiano Ronaldo possui 25 milhões de seguidores no Twitter. Tudo o que fazem é visto de perto. Desde 2008, são os diretos competidores pelo prêmio de melhor do mundo. Messi ganhou quatro vezes. Cristiano Ronaldo, duas. O único ano em que a dupla não monopolizou primeiro e segundo lugares foi em 2010, quando o argentino venceu e o português não figurou entre os três melhores.

A quantidade de gols que fazem, a cada campeonato, é avassaladora. Desde o início da temporada 2007/2008, Cristiano Ronaldo fez 395 contra 370 de Messi.

A dimensão da rivalidade entre os dois pode ser medida também por quantas vezes você ouviu, leu ou mesmo se perguntou quem é melhor: Cristiano Ronaldo ou Lionel Messi?

“Você não pode comparar uma Ferrari com um Porsche. São dois motores diferentes”, respondeu atacante do Real Madrid, recentemente.

Ele sabe bem do que fala porque, em 2008, bateu uma Ferrari novinha em folha em um túnel de Manchester.

O desempenho dos dois em Copas do Mundo deixa a desejar, sem dúvida. Mas a alegação de que eles disputam, todos os anos, um torneio mais difícil e exigente do que o organizado pela Fifa, é válido: a Liga dos Campeões reúne os melhores jogadores do planeta durante nove meses a cada temporada.

Há também o componente da personalidade. Cristiano Ronaldo é exibido, vaidoso, gosta de aparecer em todos os sentidos. Faz caras e bocas dentro de campo e venera o glamour de ser um astro do futebol. Consciente que estava sendo filmado, balbuciou “injustiça” quando Portugal foi eliminado nos pênaltis pela Espanha, na última Eurocopa.

Messi é tímido, pouco sorri em campo. Não gosta de dar entrevistas, prefere dormir à tarde  e volta e meia, está entediado. “Eu respeito Ronaldo, mas não tenho qualquer relacionamento pessoal com ele, assim como não tenho com os outros jogadores”, já confessou.

Domingo, 17 horas (de Brasília), para muita gente será Real Madrid e Barcelona, o maior clássico do futebol.

Mas para milhões pessoas será, mais uma vez, Cristiano Ronaldo x Lionel Messi, a rivalidade mais memorável entre dois jogadores em todos os tempos.